O Natal solitário



Quando criança eu sonhava com as estrelas.
Na véspera de Natal ia dormir mais cedo, sem esperar a ceia. Dormindo eu não percebia as horas passarem, portanto, o encontro com o presente, debaixo da árvore, acontecia mais rápido.
Com o passar dos anos, a ceia assumiu maior importância. Entes queridos, amigos especiais, reunidos em confraternização. A mesa repleta com frutas de época, peru de Natal, “tender”, arroz de Natal, panetone, mousse, as frutas secas tais como nozes, amêndoas, castanhas e avelãs.
E, isso aconteceu por longos anos, até que...Um Natal teve configuração singular, foi aquele em que passei sozinho. Aliás, foram dois, mas o último foi adornado com rara beleza.
Por volta das 20 horas já era percebida a ansiedade das pessoas nas casas de entorno que, só foi aumentando com a aproximação da virada da véspera. Nesse período, envolvido pelo silêncio em que me encontrava, pensava eu sobre as voltas que a vida dá. Quanta coisa havia acontecido e que eu sequer sonhava; oportunidades que deixei passar; pessoas que conheci, algumas que se tornaram grandes amizades, outras passageiras tal qual chuva de verão.
Em dado momento resolvi preencher o vazio com música, de Natal, claro... Assim dei início a minha ceia, com “tender”, queijo, vinho e nozes.
Todavia, eu queria fazer algo que tivesse uma correlação maior com a data em que se comemora o nascimento do Menino Jesus.
Passava da meia-noite quando resolvi fazer uma prece e a leitura da crônica de Leon Tolstoi, “Onde existe amor, Deus aí está! ”. Fiz a leitura em voz alta e em dado momento minha voz cada vez mais eloquente reverberava em minh’alma, já não me via em leitura, mas dentro do texto. Bem antes de terminá-la meu rosto já estava inundado de lágrimas e o ambiente sob efeito de um brilho que não era proporcionado unicamente pelas lâmpadas. Espargia amor não apenas de meu coração, mas de corações que meus olhos não viam. Senti que não me encontrava só.
Se antes eu sonhava com as estrelas, agora eu ouvia as estrelas!
Esse Natal foi sem dúvida o mais marcante que passei, momentos que não esquecerei jamais.
Foi uma noite mágica. De alguma forma, amigos vindos de outras esferas me fizeram companhia e proporcionaram imensa alegria que, neste momento, compartilho com todos vocês, queridos amigos.   
Feliz Natal!!!

Nenhum comentário